Total visualizações de páginas, desde Maio 2008 (Fonte: Blogger)

sexta-feira, 1 de outubro de 2010

P82 - CMDT ART. Victor Manuel Ponte da Silva Marques ( CART 644, CART 1770 e CART 3494)

Tozé Santos
Recebi de um nosso camarada d'armas Tozé Santos,  que cumpriu serviço em Angola entre 1967/69 fazendo parte da CART 1770,  uma foto reproduzida em baixo com a devida vénia, do nosso primeiro CMDT (foram três) da CART 3494 Victor Manuel da Ponte S. Marques, que já não se encontra no mundo dos vivos.

O Cap. Victor Manuel Ponte da Silva Marques, para além de ter sido o primeiro de três comandantes que passaram pela Cart 3494 no Xime/Mansambo - Guiné, entre Dezembro 1971 a Agosto de 1972 já tinha comandado a CART 644 (Águias Negras), Bissorá, do BART 645 na Guiné em 1964/66, composto para além da companhia atrás referida, pelas CCS, Cart 642, 643, foi também  CMDT da CART 1770 (documentado na foto em baixo) do BART 1926 em 1967/69 em Quicua - Angola, composto também pelas: CCS, CART 1769 e CART 1771.


Os outros Cmdt da Cart 3494 foram: 
Agosto de 1972 a Novembro de 1972 Cap Art. 04309164 - António José Pereira da Costa   
Novembro/72 até ao final da comissão, 03Abril/74 Cap Mil. NMº 06383765 - Luciano Carvalho da Costa

  

Foto do Tozé Santos: Cap. Victor Manuel da Ponte da Silva Marques, em Quicua - Angola 1967/69, preparando-se para um jogo de futebol supostamente, vendo-se atrás o Tozé Santos



http://carloscoutinho.terraweb.biz/Angola_Paginas/angola_artilharia_batalhoes_BART1926.htm#Bras%C3%B5es

Nota: Tozé Santos encontra-se emigrado em Alemanha, Aachen (Aix la Chapelle).
Aachen, antiga cidade onde estiveram romanos e franceses.Curiosamente na zona onde três países fazem fronteira,
Alemanha Bélgica e Holanda
Ou as três fronteiras.
Esteve já no ponto, com um pé na Bélgica o outro na Holanda e com as mãos na Alemanha.

6 comentários:

Anónimo disse...

Caros amigos

Quero apenas manifestar todo o meu apreço, a minha consideraçao pelos militares que fizeram a guerra.
Em todas as colonias.
Homens de honra e com "colhoes", muito distintos destes maricas que agora dominam Portugal.
Nao tive a honra de combater nos varios teatros da guerra colonial, porque em 1974 tinha 16 anos.
Mas teria ido a guerra - nem quis ir para França, onde o meu querido irmao vivia depois de ter sido furriel em Angola de 1966 a 1968, e combatido, lutado, com coragem , sem ais, com valor - sem medo.
Sem medo, embora com os receios normais em situaçao de guerra.
Um abraço d consideraçao para todos voces

Anónimo disse...

Guerra!? Qual guerra? Bons momentos!!! Quando percorro este blog, tenho a sensação de que os ex.combatentes que por aqui passam, assim como o autor do blog, estiveram numa colonia de férias e não numa guerra que fez milhares de vitimas durante 13 anos(1963-1974). Serà este blog uma maneira de esquecer os momentos dificeis da guerra!? Se é isso, muitos parabéns ao autor do blog, pois acho que é uma linda homenagem a todos os ex.combatentes.

CART 3494 - Xime e Mansambo DEC71/ABR74 & camaradas da Guiné disse...

Comentários, sim, ANÓNIMOS, não!... Os camaradas da Guiné não se escondem atrás do baga-baga... Por outro lado posso apenas dizer ao anónimo que os ex. combatentes por norma não se lamentam, se este anónimo passou por lá sabe bem daquilo que estou a falar, mas parece-me bem que não sabe doque fala.
SC

Anónimo disse...

Devido a problemas no meu computador na altura de enviar o meu comentàrio em resposta ao sr.SC, algumas das minhas palavras foram cortas e querendo o sr. publicar o meu comentàrio, poderia rectificar a frase, cito: hà muitos que sofrer trauma e continua a sofrer!!! O que eu queria escrever era: hà muitos que sofreram trauma e continuam a sofrer!!! Os meus sinceros agradecimentos. Se não poder rectificar, agradeço que suprime o comentàrio, pois mesmo sendo anonimo, tenho o meu orgulho!!!

Anónimo disse...

De passeio a Lisboa, visitei o monumento em homenagem aos antigos combatentes da guerra do Ultramar, e ao ver os milhares de nomes daqueles que deixaram suas vidas pela pàtria, não pode deixar de fazer um momento de silêncio.
Sentei-me ali, e pensei a todos aqueles que se tivessem tido a escolha, não teriam o seu nome gravado pela eternidade naquela pedra.
Também tive um pensamento pelos soldados que subreviveram, e que taìs como o Sr., fazem com qu esses anos "negros" restem nas nossas memòrias.
Todo o meu respeito pelo trabalho do seu blog.

Sousa de Castro disse...

Tozé Santos faleceu no dia 13NOV2015 com 69 anos, vítima de doença prolongada.
Á família enlutada apresento sentidas condolências.

Sousa de Casto