Total visualizações de páginas, desde Maio 2008 (Fonte: Blogger)

segunda-feira, 25 de maio de 2020

P398 FOI Á 50 ANOS (17 DE MAIO DE 1970/2020) O BART 2917 composto pelas CCS, CART 2714, CART 2715 e CART 2716, EMBARCOU NO N/M CARVALHO DE ARAÚJO PARA A GUINÉ [David Guimarães]

Castelo de Santiago da Barra

1.   “Castelo de Santiago da Barra
Forte militar de planta poligonal com muralhas de perfil trapezoidal, reforçadas por baluartes triangulares, guaritas de planta circular e fosso, foi mandado construir por D. Filipe I para ampliar o papel da Torre da Roqueta.
Fortaleza abaluartada segundo projeto de Tiburcio Spanochi, foi ampliada com dois revelins em 1700. Ostenta as armas de três governadores: D. Diogo de Lima, D. Pedro Bermudez de Santisso e as dos Sousas de Prado. Auto-suficiente, possuía nascente interna (de chafurdo) e capela própria, quando afectou ao serviço da tropa e dedicou a S. Tiago uma antiga capela de devoção dos marítimos a Santa Catarina. Protagonizou todos os acontecimentos militares locais, nomeadamente a Restauração e as lutas da Patuleia. Foi quartel da arma de Artilharia e hoje sede do Porto e Norte de Portugal.”

Fonte, foto e descrição: https://olharvianadocastelo.blogspot.com/2016/10/fortalezas-de-viana.html com a devida vénia.

2.       O Forte de Santiago da Barra, também referido como Castelo de Santiago da Barra e Castelo de São Tiago Maior da Barra, localiza-se na freguesia de Monserrate, na cidade, concelho e distrito de Viana do Castelo, em Portugal.



David Guimarães, ex. FUR MILº Minas e Armadilhas CART 2716 - 1970/72



1.) Em 16 de Maio de 1970 o BART 2917 constituído pela CCS, CART 2714, CART 2715 e CART 2716 desfilou deste aquartelamento, no fim do IAO, (instrução de adaptação operacional), até ao comboio na Estação de Viana do Castelo de onde partiu de "portas trancadas", em viagem noturna, até ao cais de Alcântara onde em 17 de Maio embarcava no Navio Carvalho Araújo com destino à Província Ultramarina da Guiné.
Depois da chegada a Bissau o contingente foi conduzido em LDG (Lancha desembarque grande) até ao Xime, ali repartiram-se as Companhias, em coluna-auto, pelos respectivos Aquartelamentos.  CCS – Bambadinca, CART 2714 - Mansambo, CART 2715 - Xime e CART 2716 - Xitole, companhia onde eu, estava integrado.

A sobreposição pelo BART 3873, foi feita desde 28 de Janeiro de 1972 até quase final de Março do mesmo ano.



História de Guerra – no intervalo e princípio da LICENÇA DISCIPLINAR, Abril de 1971 
(FÉRIAS DIZIAMOS NÓS os militares)


A irreverência da juventude

2.) Quando em Bissau aguardava o dia do embarque em Avião TAP para vir gozar a licença à Metrópole, informaram-me oficialmente que só poderia embarcar após a revacinação contra a CÓLERA. Para tal deveria levar o meu certificado ao hospital civil para que me fosse administrada.
 Lá fui eu, entrei no referido hospital (hoje Hospital Simão Mendes) e lá me dirigi a alguém dizendo ao que ia. Mostrei o certificado e lá me levaram ao serviço de enfermagem e pronto. Braço esticado e injecção dada.

 Depois de injectado aquele líquido a enfª deu-me dois comprimidos dizendo: olhe isso possivelmente vai doer e sendo assim tome isto para atenuar a dor. 
Alguém me tinha dito, voz de caserna; vais apanhar a vacina e a seguir bebe um bom copo de vinho que verás que não te dói nada. Vão-te dar dois comprimidos que se lixem, deita-os fora.
Aquele conselho levava nos ouvidos e enfim, optei. Não deitei os comprimidos logo fora, deitei depois: Havia ali uma casa de comer perto onde entrei! Em Bissau na altura não faltavam restaurantes. Mandei vir frango e duas garrafas de vinho geladinho verde branco (Casal Garcia). 
Deitei tudo o que me apareceu para comer abaixo e bebi o vinho todo, não tive dor nenhuma no braço.
Pensei depois que afinal o vinho tinha seus efeitos sedativos
No outro dia lá estava eu á porta do avião e quando vi a hospedeira branca, que maravilha! Passadas 4 horas via os telhados de Lisboa (tabancas mais a meu gosto)

SOBRE A ENFERMEIRA QUE ME ADMINISTROU HÁ UMA HISTÓRIA BEM POSTERIOR, NÃO É MUITO IMPORTANTE.

NB) Com o que atrás dito e aconteceu não serve para o COVID-19, acho eu!

David Guimarães,
23 de Maio 2020

Sem comentários: