Total visualizações de páginas, desde Maio 2008 (Fonte: Blogger)

Calcule seu Peso Ideal
Sexo: M F
Sua altura: m
Segure seu punho com o indicador e o polegar da outra mão. Seus dedos se tocam?
Não Sim, justos Sim, e sobram

segunda-feira, 16 de março de 2009

P24: O ASPECTO HUMANO DA GUINÉ





Guiné - Xime 1972: O Sousa de Castro no seu posto de trabalho, operando o Rádio AN-GRC 9.
"O AN-GRC 9" foi o rádio com que operei durante mais tempo. Utilizamos também o "Racal" (TR - 28) para além do "AVP-1" © Sousa de Castro (2005)
Alguns dados curiosos retirados da monografia da Guiné editados em 1971 pelo Estado-Maior do Exército com o título MISSÃO NA GUINÉ . Composto e impresso nas Oficinas Gráficas da SPEME. Os sublinhados são extraídos do blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné que agradeço. Sousa de Castro
   O Rádio AN-GRC-9. Foto gentilmente disponibilizada pelo nosso camarada Afonso M. F. Sousa, que vive actualmente em Maceda, Ovar, ex-Furriel Miliciano de Transmissões da CART 2412; esteve na região do Cacheu (Bigene, Binta, Guidage e Barro), entre Agosto de 1968 e Maio de 1970.
             ASPECTO HUMANO População A população da Guiné era, segundo o censo de 1960, de 544.184 habitantes o que representava um aumento de 33.407 habitantes em relação ao censo de 1950. É característica na Província a diversidade étnica dos seus habitantes (3). Não falando já dos não autóctones – brancos, mestiços, cabo-verdianos e libaneses, na sua grande maioria – num total aproximado de 15.000, a população autóctone (nativa) guineense apresenta uma grande variedade de tipos, correspondentes a diferentes grupos étnicos (tribos), entre as quais as principais são: - Balantas (quantitativo referido a 1962 – 150 000). Habitam entre os rios Geba e Cacheu, com uma ramificação importante na região de Catió-Bedanda, no Sul da Província. Dotados de boa condição física, são trabalhadores, valentes, enérgicos, com grande força de vontade e viva inteligência. Bons agricultores, vão buscar à terra, principalmente às regiões alagadas («bolanhas»), os meios de subsistência de que necessitam. Alimentam-se de arroz, azeite de palma, milho e mandioca; apreciam muito a carne, o peixe e os mariscos. O gado bovino que possuem destinam-no às cerimónias de sacrifício dos ritos que acompanham os funerais («choros»). Condenam o celibato. Extremamente supersticiosos, acreditam na transfiguração da alma, atribuindo à feitiçaria todas as suas desgraças.
    Praticam o roubo, em especial de gado, com a consciência de um acto não criminoso, mas sim revelador da perícia própria da tribo. São animistas. - Fulas (Fulas-Forros e Fulas-Pretos) (120 000). Povoam o Nordeste da Guiné, a região do Gabu, Bafatá e Forreá. Os primeiros fulas a entrar na Província foram os fulas-forros, que subjugaram e escravizaram grande número de mandingas, a quem designaram por fulas-pretos. De um modo geral, são hospitaleiros, considerando mesmo a hospitalidade como um dever sagrado. Apesar da influência que o islamismo tem entre eles, praticam também o animismo. Dedicam-se ao cultivo do arroz, sem grande entusiasmo, milho e amendoim e à pesca, à linha ou por envenenamento das águas. Do gado que criam, considerando como um sinal de prestígio apenas aproveitam o leite para sua alimentação. - Futa-Fulas (10 000). Povoam grande parte da região do Boé. Nos futa-fulas, originários do Futa Djalon, donde lhes veio o nome, não existe unidade de tipo, apresentando as mais diversas características, e, normalmente, a face marcada pr dupla incisão vertical que faz lembrar o n.º 11. Consideram-se, em tudo, superiores aos restantes fulas. De elevada estatura, argutos e inteligentes, dedicam-se à agricultura, à criação de gado e ao comércio ambulante. Alimentam-se de arroz, de «fundo» (tipo de cereal semelhante à alpista) e de toda a variedade de frutos. Comem carne, com excepção da do porco, e não bebem vinho por a sua religião (o islamismo) o não permitir. São polígamos, embora predominem os casamentos com uma só mulher. São islamizados. - Manjacos (65 000). Habitam a região compreendida entre o rio Cacheu e a ria de Mansoa e as ilhas de Jeta e de Pecixe. São curiosos, astutos, dedicados, hospitaleiros, com perfeita compreensão dos princípios morais e de justiça, preocupando-se em adquirir hábitos civilizados. Têm certa tendência para o comércio e aptidão para as tarefas marítimas. Dedicam-se ao cultivo do arroz, exploração de palmares, pesca e extracção do sal. São animistas. - Mandingas (60 000). Habitam na região de Farim, Óio, Bafatá e Gabú. São sóbrios, inteligentes, observadores, aguerridos, alegres e comunicativos. Com preceitos morais que os colocam acima das outras tribos, admitem o regime de castas (nobres, ferreiros – com uma importância muito especial -, ourives, sapateiros, etc.). As profissões passam obrigatoriamente de pais para filhos e os casamentos só se realizam entre membros de famílias de nobres, ferreiros, ourives, sapateiros, etc. Dedicam-se à cultura do milho, mas comercialmente o produto mais importante é a mancarra. O islamismo não fez desaparecer entre eles as práticas animistas. - Papéis (40 000). Povoam a ilha de Bissau. São aguerridos, enérgicos, decididos, desconfiados e nadas expansivos. Tal como os manjacos, têm certa aptidão para as práticas marítimas. Alimentam-se de arroz, mandioca, batata-doce, milho, «fundo» e peixe seco. Dedicam-se à agricultura (arroz mancarra, em especial) e ao trabalho de carregador nos centros urbanos. São animistas. - Beafadas (13 500). Habitam a região de Quinara. Embora robustos, são indolentes por natureza. Progressivamente islamizados, mantêm-se, ainda, agarrados às práticas animistas. - Brames (Mancanhas) 12 500. Vivem nos regulados do Có e Bula, na ilha de Bissau, na ilha de Bolama e na região continental fronteira a esta ultima ilha. Têm grandes afinidades com os mandingas e fulas, de quem descendem por cruzamento. São inteligentes e assimilam com facilidade os usos e costumes dos europeus. Consideram como delitos de somenos importância, quando não mesmo louváveis, o falso testemunho, as ofensas corporais, o estupro, a violação e o adultério. Veneram o «Irã». Dedicam-se, sobretudo, à cultura do milho e da mancarra. - Bijagós (12 500). Povoam o arquipélago de Bijagós. São tímidos, belicosos e desconfiados. Vivendo constantemente no mar, são excelentes marinheiros. Em questões de namoro e de casamento, a escolha é feita pela mulher, que os bijagós têm na conta de um ser superior. São hábeis artistas na escultura da madeira e dedicam-se à pesca e à extracção do sal. - Felupes (6000). Habitam na região de Varela e Susana. São fortes e ágeis, praticantes entusiastas do exercício físico. Bons atiradores de azagaia e flechas, cujas pontas envenenam, dedicam-se à caça. São animistas. Consideram falta muito grave a união da mulher felupe com um nativo de tribo diferente (4). - Baiotes (5500). Habitam ao norte do rio Cacheu, no extremo ocidental da Província. Têm grandes afinidades com os felupes, pois constituem com eles o grupo étnico dos diolas. A diferençá-los apenas existe um dialecto diferente e a sua distribuição geográfica. São animistas. - Nalus (5500). Habitam as regiões do Tombali e de Cacine. São pouco robustos e de estatura média. Muito individualistas, recusam-se a manter relações com as tribos vizinhas. Têm um conceito perfeito da justiça. Encontram-se em grande parte islamizados. - Sossos (2000). Constituem um ramo dos mandingas. São islamizados e têm grandes afinidades com as populações fronteiriças. Todos os grupos étnicos da Guiné praticam a poligamia, embora existam em maior percentagem lares monógamos. O maior número de lares monógamos encontra-se nos Felupes, Cassangas e Futa-Fulas, que atingem uma percentagem superior a 70%. As menores percentagens de lares monógamos encontram-se entre os Beafadas e os Mandingas. A poligamia praticada incide na bigamia. São insignificantes as percentagens de lares com mais de 4 esposas. Entre as tribos guineenses existem para cima de 20 línguas e dialectos diferentes. Introduzido pelos primeiros colonos e aceite facilmente pelos nativos, fala-se também o crioulo, que não é mais que uma mistura de palavras portuguesas (algumas muito antigas) e palavras das línguas e dialectos locais. O crioulo permite aos nativos entenderem-se entre si. O povoamento da Guiné é muito irregular, verificando-se serem regiões do litoral e as regiões vizinhas de Farim e Bafatá (os dois principais centros de comunicação da Província) as mais habitadas, e as do Boé e do sueste do Óio as menos habitadas.
    SC
    luisgracaecamaradasdaguine@gmail.com

    Sem comentários: