Total visualizações de páginas, desde Maio 2008 (Fonte: Blogger)

Calcule seu Peso Ideal
Sexo: M F
Sua altura: m
Segure seu punho com o indicador e o polegar da outra mão. Seus dedos se tocam?
Não Sim, justos Sim, e sobram

terça-feira, 21 de abril de 2015

P234 - RECORDANDO A 1.ª EMBOSCADA NA PONTA COLI EM 22ABR1972 E A MORTE DO FURRIEL BENTO - A única baixa em combate da CART 3494 -



Caríssimo Camarada Sousa de Castro

Os meus melhores cumprimentos.
Com a presente narrativa procuro recuperar duas das principais memórias do nosso percurso militar como ex-combatentes no CTIGuiné [1971-1974], ambas ocorridas no mês de Abril, mas com dois anos de intervalo, e que ficarão para sempre na historiografia do contingente da nossa CART 3494.
A primeira, com quarenta e três anos [faz hoje!], relembra os episódios das emboscadas na Ponta Coli, com particular destaque para a 1.ª [22ABR1972]. A outra efeméride, já com quarenta e um anos, recorda a chegada à Metrópole [como se dizia à época], em 03ABR1974, depois do dever cumprido.
Como o tempo passa veloz…
Um abraço de amizade.
Jorge Araújo.
Abril/2015

GUINÉ

Jorge Alves Araújo, ex-Furriel Mil. Op. Esp./RANGER, CART 3494

(Xime-Mansambo, 1972/1974)


Fur, Milº Bento
1. - INTRODUÇÃO
Para o contingente dos ex-combatentes da COMPANHIA DE ARTILHARIA 3494 [CART 3494 - Xime-Enxalé-Mansambo / 1971-1974], do BART 3873, ABRIL passou a ser, desde 1972, um mês onde, por motivos opostos, se comemoram duas efemérides de grande significado colectivo; uma de dor, tristeza e revolta [1972] a outra de felicidade pelo regresso às origens depois do dever cumprido [1974].
A primeira, de muitas emoções e tensões, está relacionada com o «baptismo de fogo» da Companhia ocorrido na emboscada em 22ABR1972 [sábado], experiência que classificamos de superação extrema [ou superior transcendência] vivida por vinte e dois elementos continentais do 4.º GComb, mais um Guia guineense, atacados [sem aviso prévio] no contexto da missão/acção de segurança à Estrada Xime-Bambadinca, no sítio da Ponta Coli, onde se registou, lamentavelmente, a primeira e única baixa da Unidade contabilizada em combate durante a sua presença no CTIGuiné, a do nosso camarada Furriel Manuel Rocha Bento, natural da Ponte de Sor, a quem justamente prestamos a nossa sentida homenagem.



Sete meses depois, uma segunda emboscada voltou a ser perpetrada pelo PAIGC no
Pinóquio e A. Castro
mesmo local e à mesma hora, ou seja, em 01DEC1972 [6.ª feira], em que o alvo foi, naturalmente por coincidência, o mesmo 4.º GComb, mas desta vez não se verificaram baixas mortais nas NT, registando-se dois feridos que foram evacuados para o HM 241, em Bissau.
Do lado IN, que era constituído pelo grupo de «Bazookas» de Coluna da Costa e o bigrupo de Mamadu Turé e Pana Djata [substitutos de Mário Mendes, responsável pela 1.ª emboscada, morto em combate na acção «GASPAR 5» [CART 3494 + CCAÇ 12], em 25MAI1972 (5.ª feira), na Ponta Varela], os guerrilheiros deixaram, no terreno, dois cadáveres, que foram sepultados no cemitério de Bambadinca, em campas separadas, bem como uma pistola, uma espingarda automática e um RPG com duas granadas.

2. - RECORDANDO A EMBOSCADA…
Hoje, ao recordar aquele episódio de há quarenta e três anos, continuo incrédulo como foi possível superar aquela batalha, perante tamanha inferioridade física e numérica das NT, com um morto, dezassete feridos, desmaiados e poucos em condições de estabelecer um equilíbrio com quem iniciou a contenda.
Actuando de surpresa a cinquenta/sessenta metros dos alvos [humanos] colocados em cima de duas viaturas, ainda que em movimento lento, estaríamos nos centros das miras das suas “costureirinhas” e “RPG’s”, é inacreditável como não conseguiram fazer um “ronco” maior neste (des)encontro?
Em primeiro lugar, porque as NT eram piriquitas nestas andanças da guerra de guerrilha, pois tinham apenas oitenta dias de mato, equivalente a mês e meio de sobreposição com a CART 2715 e os restantes dias [ainda poucos] de autonomia plena. Em segundo, pela experiência dos líderes do PAIGC, acumulada nas emboscadas anteriormente montadas no mesmo local desde 10ABR1968, data da primeira acção, a que se adicionam todos os outros conhecimentos adquiridos ao longo de muitos anos de prática neste contexto.
No meu caso, esta deslocação à Ponta Coli era a oitava vez que a fazia, pois havia chegado ao Xime somente nos últimos dias do mês de Março, e onde encontrei muitas rotinas já instaladas, em particular o exemplo da segurança à Ponta Coli.
 

Foto 4 – Xime [Ponta Coli] – Árvore sinalizada como posto de vigia e onde ficava instalado o CMDT da força em acção/missão de segurança diária. Foi a partir deste local que o IN deu início à emboscada no dia 22ABR1972.



Foto 5 – Xime [Ponta Coli] – A mesma árvore da imagem anterior, agora no seu plano superior, donde se tinha uma observação de maior alcance.
Quanto ao menor sucesso do IN [e ainda bem…], acredito que uma possibilidade ficou a dever-se à gestão do tempo, que correu a nosso favor, pois [como referi na narrativa original, a 1.ª que publiquei no blogue] aos poucos, ao ritmo de um tempo que parecia não passar, os desmaiados começam a acordar, os feridos tomam consciência de que ainda têm força suficiente para reagirem, e com os cinco ilesos que continuavam activos e operacionais, através de um impulso colectivo vindo das entranhas e de um grito de contra-ataque, contribuímos para anular a terceira tentativa de sermos apanhados à mão por parte dos elementos do PAIGC, que muito porfiaram mas sem sucesso.
Por outro lado, é da mais elementar justiça referir o desempenho do nosso camarada
guineense MALAN [guia e também ele combatente - imagem ao lado (6)], que sempre me mereceu o maior respeito, admiração e apoio, pois era um homem solitário, tendo como única companhia o seu cachimbo artesanal, mas nosso amigo, e que muito nos ajudou nos diferentes itinerários que tivemos de percorrer, como sabemos, numa mata extremamente difícil, com muitas armadilhas, ratoeiras e outros obstáculos, e que hoje, certamente, ele já não faz parte do grupo dos vivos.
Parece que ainda o estou a ver sangrando com alguma abundância da cabeça, onde existiam pelo menos duas perfurações, empunhando duas G3 [a sua e outra que encontrou abandonada no solo]. Com uma em cada membro superior, apoiadas nas suas axilas e, em plena estrada, de pé, defendia-se contribuído, também, para o sucesso do grupo. Foi depois evacuado para Bissau, onde ficou internado algumas semanas, regressando ao Xime ainda a tempo de participar na segunda emboscada.  
Outra situação que também ajudou, certamente, na debandada dos guerrilheiros teve a ver com a circunstância dos municiadores de morteiro e de bazuca, após recuperarem a consciência, depois de terem ficado atordoados na sequência do salto das viaturas em andamento, fazerem uso das suas armas a uma cadência de tiro inconstante, mas mesmo assim relevante, uma vez que o desempenho de ambos estava/ficou dependente da localização das suas munições [granadas] que acabaram por ficar dispersas ao longo da estrada, numa frente de cento e vinte metros, mais ou menos, dando a ideia de que estávamos fortemente armados.

Depois deste episódio negativo, que provocou dor, sofrimento e algum temor entre nós, nada mais ficou como dantes, a exemplo do que nos diz a metáfora popular «depois de casa roubada trancas à porta», tendo apresentado de imediato outras metodologias e procedimentos assimilados durante a instrução no CIOE, em Lamego, visando a salvaguarda da minha/nossa sobrevivência perante este contexto adverso e muito exigente.
A prová-lo estava, ainda, o facto do CMDT da Companhia se ter auto-excluído no dia seguinte à 1.ª emboscada, ao assinar a sua própria baixa ao Hospital Militar [Serviço de Psiquiatria], em Bissau, para não mais regressar ao Xime.
Devido a essa sua decisão de se autoexcluir é nomeado para novo CMDT da CART 3494 [o 2.º], o então ex-Cap Art António José Pereira da Costa [hoje, Cor Art Ref], meu/nosso camarada e tertuliano deste blogue. A sua chegada ao Xime ocorreu dois meses após a 1.ª emboscada, ou seja, no dia 22JUN1972 [5.ª feira], dia do seu aniversário… que coincidências!       
As duas histórias originais que foram escritas na primeira pessoa em 2012, quarenta anos depois de as ter vivido in loco, e que agora recordei em síntese, fazem parte do espólio de narrativas divulgadas neste blogue da Companhia [P148(03Abr) e P152 (24Abr)], no separador «Ponta Coli» e que estão, igualmente, publicadas no blogue luisgraca&camaradasdaguine [P9698 (03Abr) e P9802(25Abr)]. Um outro texto relacionado com este tema está identificado em P191(26Out2013), onde se confrontam os nossos números com os divulgados pelo PAIGC.
Em resultado da experiência e das emoções contabilizadas nesse 1.º episódio no sítio da Ponta Coli, e como modo de as traduzir no papel, decidi baptizá-las como «Era uma vez uma estrada, palco de jogos de sobrevivência (Xime-Bambadinca) – o caso da Ponta Coli».  
Quanto à segunda efeméride, reportada ao mês de Abril, esta está datada desde 03ABR1974 [4.ª feira], quando o contingente regressou definitivamente à Metrópole, ao aeroporto de Figo Maduro, em Lisboa, a bordo de um boeing 707, dos Transportes Aéreos Militares [TAM]. Este acto [ou facto] ocorreu oitocentos e vinte e sete dias depois do embarque no Cais da Rocha, em Lisboa, encerrando-se assim o ciclo de vida ultramarino previsto nos deveres individuais para com a Nação inscritos, à data, na Lei do Serviço Militar Obrigatório [SMO].
Esta referência normativa é dirigida, justamente, aos mais jovens leitores deste blogue, uma vez que o SMO foi extinto em meados de 1999. A partir de 2004, passou a ser atribuída às Forças Armadas a capacidade de captar os seus próprios recursos humanos concorrendo directamente no mercado de trabalho com outras entidades empregadoras.
Termino, prometendo voltar logo que possível a este tema, resumindo num só texto o mapeamento cronológico e histórico relacionado com as emboscadas na Estada Xime-Bambadinca, com destaque para a Ponta Coli, e as suas consequências.
Com um fraterno abraço de amizade,
Jorge Araújo.
22ABR2015.



LOUVORES

1. Recordamos que na emboscada de 22ABR72 foram louvados em 23ABR72, 4 camaradas:


 - Fur. Milº MANUEL DA ROCHA BENTO, louvado a título póstumo, pelo Exmo Cmdt. do CAOP 2.
- Fur. MiLº ANTÓNIO ESPADINHA CARDA, pelo Exmo Cmdt. Do CAOP 2.
- 1º Cabo MANUEL AMORIM DO ALTO, com o prémio Governador da Guiné, sua EXA O GOVERNADOR E COMANDANTE-CHEFE, General ANTÓNIO DE SPÍNOLA.
- Sol. MANUEL DE SOUSA MONTEIRO, com o prémio Governador da Guiné, sua EXA O GOVERNADOR E COMANDANTE-CHEFE, General ANTÓNIO DE SPÍNOLA.



2. Ref. à emboscada de 01DEC72 foram louvados em 27FEV73 pelo Exmo Cmdt Militar.

- Alf. Milº ANTÓNIO JOAQUIM SERRADAS PEREIRA
- Fur. Milº RAUL MAGRO DE SOUSA PINTO
- 1º Cabo CARLOS JOSÉ PEREIRA
-       «»   MANUEL DE SOUSA FREITAS
-       «»   JOAQUIM OLIMPO MILHEIRO  VOLTA E SILVA
-       «»   ANTÓNIO AUGUSTO DE JESUS SANTOS
-       «»   MANUEL MEDEIROS
- Soldado CARLOS DIAS DA SILVA
-       «»   JOSÉ JOAQUIM TERRA
-       «»   RICARDO SILVA NASCIMENTO
-       «»   MÁRIO RODRIGUES DA SILVA
-       «»   LUIS DOS SANTOS
-       «»   MANUEL GONÇALVES DA COSTA
-       «»   ANTÓNIO PEREIRA PINTO
-       «»   MANUEL CARVALHO DE SOUSA
-       «»   ARTUR SILVEIRA SEQUEIRA
-       «»   CARLOS DOS SANTOS MONTEIRO
-       «»   JOAQUIM MOREIRA DE SOUSA
- Soldado Milícia SALATO BALETE

Todos estes militares formavam o 4º grupo de combate.

Fonte: BART 3873 “HISTÓRIA DA UNIDADE” CART 3492 CART3494 CART 3494 NA GUERRA CONSTRUINDO A PAZ

A. Castro


Sem comentários: