Total visualizações de páginas, desde Maio 2008 (Fonte: Blogger)

sábado, 15 de janeiro de 2011

P87 - GUERRA NA GUINÉ - BULA, 11 de Nobembro de 1969

É ARREPIANTE MAS VALE A PENA NÃO DEIXAR MORRER A LEMBRANÇA DE TÃO ABSURDO SOFRIMENTO

Guerra Colonial - anos 60/70 ...
(Atenção algumas cenas pesadas)



Produção
Produtor ou co-produtor: 
Serviço nacional de radiodifusão de televisão francês
http://www.ina.fr/playlist/sport/ma-premiere-selection.248492.fr.html





Peça de artilharia, no XIME: OBUS 10,5 c
DOCUMENTO HISTÓRICO FEITO POR UMA EQUIPA DE TELEVISÃO FRANCESA, EM 11 DE NOVEMBRO DE 1969 NA REGIÃO DE BULA A NORTE DO RIO MANSOA.

Guerra Na Guiné

É o único filme feito na Guiné que apanhou uma sequência real de guerra.

Os jornalistas franceses que seguiam nesta patrulha, mandada executar para que eles tomassem conhecimento com o dia a dia das NT estacionadas em BULA, um pouco a N do Rio Mansoa, apanharam um "cagaço", mas registaram algo que mais nenhum se registou. Se não estou errado ia também uma jornalista.

A emboscada que as NT sofreram, não estava "no programa", mas isto era o que podia acontecer sempre que se saía para o mato e neste caso julgo que foi para os lados do CHOQUEMONE, uma das zonas quente onde o IN tinha "acampamento(s)", na área entre BULA-BISSORÃ-S. VICENTE (já no Rio Cacheu).

O Spínola, com a seu ajudante de campo (era ainda o Almeida Bruno) e o Cmdt do Batalhão de BULA foram lá, mal tiveram conhecimento do que tinha acontecido.

 Nota: MSG recebida sem assinatura do autor

SC

2 comentários:

Manuel disse...

Meu Caro autor deste interessante blog, devo começar por dizer que tenho o maior respeito por todos os ex-combatentes, aliás tenho um familiar que esteve na Guiné.
Também por acaso recebi este mail, mas devo dizer que não consegui ver este vídeo até ao fim, afinal não se trata de ficção mas de sofrimento real.
Deixo um Abraço para Si e para todos os ex-combatentes,
Manuel

António Rodrigues disse...

Para quem continua a ter dúvidas, como uma intelectual da nossa praça, que à alguns anos atrás dizia num programa de televisão que no ultramar não havia guerra: "os soldados portugueses iam para lá passar férias e beber cervejas" aqui está uma prova insofismável do contrário.
A mim, tal comentário deixou-me deveras indignado e revoltado na altura, que achei uma enorme falta de respeito pela memória de camaradas como os deste filme, que tanto sofreram ao ponto de perderem a própria vida.
Gentinha desta estirpe, precisava de ter sofrido uma forte emboscada durante 15 minutos, talvez se borrassem todas e hoje tivessem outra opinião.
Paz à Alma destes nossos Camaradas que neste caso perderam a vida.
António Rodrigues