Total visualizações de páginas, desde Maio 2008 (Fonte: Blogger)

Calcule seu Peso Ideal
Sexo: M F
Sua altura: m
Segure seu punho com o indicador e o polegar da outra mão. Seus dedos se tocam?
Não Sim, justos Sim, e sobram

domingo, 21 de junho de 2015

P242 - UM SENTIMENTO DE PESAR AINDA PRESENTE (A MORTE DO FURRIEL BENTO EM 22ABR1972) - a única baixa em combate da CART 3494 (Jorge Araújo)

Caríssimo Camarada Sousa de Castro
Os meus melhores cumprimentos.


Fur. Manuel Bento
A elaboração de narrativas de dimensão sociológica e histórica relacionadas com as nossas vivências no CTIGuiné, e publicadas nos diferentes blogues, têm permitido chegar a muitas famílias de ex-combatentes, levando-as em alguns casos, e por ausência de outras fontes fidedignas, a tomarem a iniciativa de saberem algo mais sobre as ocorrências que levaram à perda [morte] dos seus familiares.
Está neste caso o interesse manifestado pelo cidadão Alexandre Mendes, sobrinho do nosso camarada Furriel Manuel Bento que, desejando aprofundar as causas da morte de seu tio e outros detalhes da sua vida militar, encontrou no contacto com o camarada Luís Graça, editor do blogue da Tabanca Grande, o caminho para obter respostas às suas dúvidas.
Dos contactos que com ele estabeleci, e pelo valor humano que transmitem, tomei a iniciativa de os publicitar através do presente texto que, por coincidência, fez parte do sentimento colectivo demonstrado durante o acto solene de homenagem aos militares mortos em combate, organizado no passado dia 13 de Junho, no Regimento de Artilharia 5, na Serra do Pilar, em Vila Nova de Gaia, aquando do nosso 30.º Encontro Anual.
Com um forte abraço de amizade.

Jorge Araújo.

GUINÉ
Jorge Alves Araújo, ex-Furriel Mil. Op. Esp./RANGER, CART 3494
(Xime-Mansambo, 1972/1974)
UM SENTIMENTO DE PESAR AINDA PRESENTE
(A MORTE DO FURRIEL BENTO EM 22ABR1972)
- a única baixa em combate da CART 3494 -

1. - INTRODUÇÃO
A divulgação das memórias mais relevantes que marcaram a minha presença no CTIGuiné durante os já longínquos anos de 1972 a 1974, na qualidade de miliciano da CART 3494, e que de forma irregular têm sido transformadas em narrativas, visam deixar expresso, na sua dimensão historiográfica escrita no singular, algumas das ocorrências vividas no plural, e daí as considerar portadoras de eventual interesse colectivo.
Sabemos que o número de leitores a que a elas têm acesso, independentemente das suas motivações e interesses, é significativo, como se pode confirmar pelo número de visitas diárias ao Blogue da nossa Tabanca… que é [muito] Grande, prestando este, sem quaisquer dúvidas, um inquestionável serviço público, abrindo as suas portas ao aprofundamento e a esclarecimentos posteriores sobre dúvidas que porventura cada episódio possa suscitar.
Está neste caso o interesse demonstrado por Alexandre Bento Mendes, sobrinho do malogrado meu/nosso camarada Furriel Manuel Rocha Bento, morto em combate no dia 22ABR1972 [P14495 – Recordando a 1.ª emboscada na Ponta Coli e a morte do Furriel Bento - a única baixa em combate da CART 3494], na mata da Ponta Coli.
Foi neste local enigmático e misterioso, sito na estrada Xime-Bambadinca, que foram travadas duras batalhas com os guerrilheiros do PAIGC, pelas diferentes unidades sediadas no Xime, e que tivemos a oportunidade de as experienciar e de as descrever, em particular aquelas que a história haveria de determinar que seriam as duas últimas, ou seja, as de 1972, em 22ABR e 01DEC.
Com efeito, o [nosso] Alexandre nasceu catorze anos depois da morte de seu tio [em 1986], tendo crescido e convivido desde sempre com a mágoa dos seus avós e de sua mãe pela saudade que o tio deixou, sendo ainda hoje [quarenta e três anos depois] recordado por todos os seus pares.
Na tentativa de encontrar resposta às dúvidas que o tem acompanhado ao longo dos anos, tomou a iniciativa de contactar o camarada Luís Graça, editor do Blogue, pedindo-lhe ajuda para o encaminhamento do seu e-mail, o que veio a acontecer.
2. - OS CONTACTOS DO ALEXANDRE MENDES
1.º - 10JUN2015
Boa Noite,
Em primeiro lugar parabéns pelo blog, através dele pude conhecer a verdadeira história da morte do meu tio.
Em segundo lugar queria perguntar se dispunham de mais fotos onde o meu tio esteja presente (além das constantes no blog) e caso haja, se me podem enviar por email.
Em último lugar gostaria de saber quando é que o meu tio chegou à Guiné para desempenhar a missão.
Vejo que uma das pessoas que foi colega dele e que o menciona é o Jorge Araújo, talvez se puder encaminhar este email, ele possa ajudar. Cumpts.
Alexandre Mendes.
2.º - 10JUN2015
Jorge: Queres responder e comentar? Podias fazer um poste… Luís.
3.º - 10JUN2015
Caro Alexandre,
O seu contacto de hoje, via Luís Graça, merece-me um carinho especial, particularmente pelos motivos que o fundamentam.
Por isso, saúdo-o, antes de mais, pela iniciativa que tomou em querer saber algo mais sobre a vida militar de seu tio [e meu/nosso camarada] Manuel Bento, morto em combate nas matas do Xime, na Guiné, naquele fatídico dia 22ABR1972, fez agora quarenta e três anos.
O seu presente contacto é, com efeito, muitíssimo gratificante para nós, na justa medida em que através da recuperação e divulgação pública das nossas memórias, gravadas no decurso da nossa presença no Teatro de Operações da Guiné, recordamos alguns dos episódios mais marcantes dessa experiência ultramarina.
Os seus destinatários são muitos. Desde logo o colectivo da unidade militar que connosco as partilhou, depois os seus familiares directos, independentemente do grau de parentesco, e finalmente a comunidade que nos lê, quer sejam aqueles que por lá passaram, quer sejam as novas gerações que delas foi dispensada, por via do 25 de Abril de 1974.
Não sei a sua idade, mas certamente que nasceu depois da data acima, o que torna o contacto ainda mais valioso.
O seu tio, como teve a oportunidade de constatar nos diversos postes que escrevi sobre as emboscadas na Ponta Coli [P9698 + P12232 + P14495], morreu a meu lado, oitenta dias depois de ter chegado ao Xime, um dia dramático para todos nós, ou quatro meses após o embarque no N/M Niassa, em Lisboa, em 22DEC1971 [P12978], com passagem por Bolama durante um mês.
O facto tornou-se ainda mais dramático, pois sabíamos que ele tinha sido pai, deixando, assim, uma viúva e uma bebé órfã. Foram, de facto, indiscritíveis os dias que se seguiram. Mas tivemos de seguir em frente.
Caro Alexandre, para além das narrativas que estão publicadas no blogue de Luís Graça & Camaradas da Guiné, outras semelhantes estão disponíveis no blogue da CART 3494, a sua unidade militar, bastando identificar na coluna da direita [etiquetas] o assunto/tema que mais lhe interesse.
Como no próximo sábado, dia 13 de junho, iremos realizar um almoço-convívio em Vila Nova de Gaia, o 30.º, gostaria de lhes dar esta boa nova, se possível, através da elaboração de um texto a publicar até lá. Para o efeito, gostaria que me fizesse chegar uma sua foto, acompanhada por algo mais que entenda por oportuno.
Ao dispor, receba um forte abraço. Jorge Araújo.
4.º - 15JUN2015
Boa Noite Jorge,
Eu pensava que ele tinha estado mais tempo na Guiné, porque li algumas cartas que ele enviava à irmã (minha mãe) e deu-me a sensação que ele teria vindo mais do que uma vez a Portugal, já depois de estar na Guiné…
No passado sábado dia 6 de Junho, visitei o Memorial em Belém com o nome dos militares que tombaram em combate e quando cheguei a casa lembrei-me de escrever o nome do meu tio no Google e ver o que me surgia… com grande espanto obtive as descrições, fotografias postadas por si.
Não sou realmente desse tempo, pois nasci em 1986, mas cresci a ver e conviver com a mágoa dos meus avós e da minha mãe pela saudade que o meu tio deixou. É extraordinário, que embora tenha falecido muito novo (com 22 anos), ainda hoje é recordado na terra [Ponte de Sor] com carinho, por exemplo em 2007 houve um convívio entre colegas da terra (escola e afins) e foram colocar uma pedra [lápide] na campa com uma dedicatória, isto passados 35 anos da sua morte.
É extremamente gratificante para mim ter chegado à fala com alguém que privou de perto com ele nos momentos difíceis e que tenha infelizmente presenciado aquele trágico acontecimento a fim de hoje, através dos seus postes, me descreva as questões que me interrogavam no passado. Sabia-se que tinha sido uma granada, mas o descritivo, não. Lamento só agora ter prestado atenção à data do almoço (dia 13 de Junho), de qualquer forma anexo uma foto minha.
Pedia-lhe por favor, caso tenha mais fotos onde esteja o meu tio (além das que estão nos sites) se possível me as enviasse desde que não cause transtorno, naturalmente. Um Grande Abraço. Cumpts. Alexandre Mendes.
 
3. - HOMENAGEM DOS EX-COMBATENTES DA CART 3494
       AOS MORTOS EM COMBATE NA GUERRA DO ULTRAMAR
A pretexto da realização do 30.º Almoço/Convívio/Encontro dos ex-combatentes da CART 3494, este ano agendado para Vila Nova de Gaia, tomou a organização deste evento a iniciativa de homenagear, na sua Unidade Mobilizadora para a Guiné [ex-RAP2], agora Regimento de Artilharia 5 [RA-5], os militares que tombaram nos diferentes T.O. e, particularmente, o nosso camarada Furriel Manuel Rocha Bento.
Durante a cerimónia oficial realizada sob chuva intensa e enquadrada por uma Guarda de Honra Militar constituída por uma secção daquela Unidade, comandada pelo Alferes Tiago Martins, foi colocada uma coroa de flores no respectivo Memorial
Obrigado Alexandre por nos ter contactado.
Um forte abraço e muitas felicidades.
Jorge Araújo.

15JUN2015.

Sem comentários: